Como aprender com os erros?

Um dos maiores erros que cometemos, é não assumi-los.

É muito difícil aprender com as falhas porque para isso, devemos primeiramente aceitá-las.

E particularmente falando, eu nunca conheci alguém que realmente gostasse de assumi-las.

Mas, para nos prevenir das mesmas situações, devemos nos esforçar para aprender com as mesmas.

O pai da filosofia funcional e da filosofia pragmática, John Dewey, logo dizia:

“A pessoa que realmente pensa, aprende tanto com seus fracassos quanto com seus sucessos”.

Ou seja, aprender com nossos erros não acontece automaticamente, requer pensamento e reflexão.

Refletir portanto, tornou-se algo bem poderoso para mim. Analisando alguns erros na minha vida, conclui algumas verdades que talvez, fosse possível somente com eles. Conheça-os a seguir.

Não devemos pensar que sabemos de tudo

Há uma palavra para pessoas que acham que sabem tudo: burrice.

E a razão pela qual eu os reconheço, é porque eu costumava ser uma.

Toda vez que você não ouve as pessoas mais inteligentes ou experientes, você acaba caindo em uma armadilha do erro.

É hora de remover o ego para entender que a vida, não é somente impressionar outros indivíduos.

A vida é: realização, colaboração e bem comum. Se queremos alcançar essas coisas, é necessário humilde.

Realmente não temos muito tempo

Quando você é jovem, acha que tem um mar infinito de tempo e que pode fazer o que bem entender.

Um dia completamos 20 anos e daqui a pouco, estamos comemorando o trigésimo aniversário.

Se dar conta de que o tempo realmente voa, não é problema. O problema está em saber que ele passou, sendo que você não mudou e não aproveitou nada.

Para ficarmos mais atentos e não deixar com que isso aconteça, ter as respostas das seguintes perguntas é essencial:

  • Eu gosto do meu trabalho?;
  • Eu gosto das pessoas ao meu redor?;
  • O que está sendo prioridade para mim?;
  • Será que preciso mudar? No que mudaria?;
  • O que faço com a maior parte do meu tempo?.

Encontrar as respostas para essas perguntas, é realmente fundamental para poder achar em qual estação sua vida está.

Parar de gastar tempo com superficialidades, é essencial

Há uma grande chance das pessoas em seu ambiente, não se esforçarem para as mesmas coisas que você.

Nos meus exatos vinte anos, eu estava cercada por pessoas que abandonaram a faculdade por influência de drogas e baladinhas.

E isso é muito comum, a maioria não quer esforço, por isso desistem de prioridades e focam em coisas momentâneas.

Mas essa atitude, apesar de parecer vantajosa em curto prazo, possui um efeito colateral.

Por isso, não devemos dedicar nosso tempo a coisas transitórias, pois o custo poderá ser alto.

Amor não é o que “achamos”

Algumas pessoas focam a busca pelo amor, por um parceiro ou parceira de uma forma absoluta.

Isso explica talvez, a excitação de muitas pessoas no Tinder, por exemplo.

Achar uma pessoa agradável para ficar constantemente ao seu lado, realmente é bacana, mas não deve se tornar algo incondicional.

O carinho e amor, devem ser interpretados de forma original, se resumindo a empatia primeiramente, não “a troca de favores”.

O aprendizado nunca deve parar

A questão do aprendizado na vida é bem simples: quando você parar de aprender e se desenvolver, provavelmente estará morto.

Isso acontece quando saímos da escola e paramos de estudar, ou quando nos formamos e não buscamos mais conhecimento.

O cérebro pode ser comparado a um músculo, no qual se você parar de estimular, certamente ele ficará trancafiado.

Portanto, nunca devemos perder o ritmo de aprendizado e estudos, pois isso não nos deixará para trás!

Leave a Reply